(1/3) Tudo sobre conteúdo imersivo para realidade virtual

Conteúdo imersivo para realidade virtual: Imagens 360°, Vídeos 360° e Projetos 3D

Para criar uma experiência em realidade virtual você precisa obrigatoriamente de 3 (três) itens: conteúdo imersivo, aplicativo de realidade virtual e os óculos de realidade virtual. Nesse artigo vamos falar sobre o primeiro pilar: o conteúdo imersivo (imagens 360, vídeos 360 e projetos 3D).

Conteúdo imersivo

Para entender como funciona a realidade virtual, é preciso conhecer os seus 3 (três) pilares: conteúdo imersivo, aplicativo de realidade virtual e os óculos de realidade virtual. São esses itens em conjunto que proporcionam a sensação de estar dentro de um ambiente virtual.

Também é preciso ficar claro que os óculos sozinhos não fazem nadaAbsolutamente nada! Eles precisam de um conteúdo imersivo e um aplicativo.

O conteúdo imersivo é o ambiente virtual onde a pessoa usando os óculos será inserida. Já o aplicativo é o programa de computador (ou de celular) que efetivamente realiza a imersão virtual dentro do conteúdo. Os óculos funcionam como monitores ou TVs. Eles transmitem a imagem, mas a verdadeira imersão virtual se faz através do conteúdo e do aplicativo.

Como gerar um conteúdo imersivo

Outro item que precisamos reforçar em nosso aprendizado é: não é possível criar uma imersão virtual em qualquer tipo de conteúdo digital. Uma experiência de realidade virtual só poderá ser criada quando utilizados os seguintes tipos de conteúdo: imagens 360vídeos 360 ou projetos 3D.

Esses conteúdos são captados com equipamentos específicos para essa finalidade ou gerados digitalmente a partir de softwares de modelagem 3D. Não há como transformar imagens e vídeos tradicionais em 360°, é preciso que o conteúdo seja criado/gerado nesse formato.

Se você quer utilizar a realidade virtual, precisará gerar o conteúdo em 360°. Você pode captar as fotos e vídeos com câmeras 360° ou contratar empresas ou profissionais especializados. Também é possível contratar um estúdio ou designer para a geração desse material em 3D.

Como usar um conteúdo imersivo

Outra informação importante é em relação a como usar cada tipo de conteúdo imersivo. Não existe uma regra, mas existe o bom senso! É preciso analisar qual é o objetivo da experiência de realidade virtual, o que desejamos como resultado dessa experiência. Com isso em mente, definimos qual o melhor tipo de conteúdo a ser utilizado.

Existem experiências onde o uso de vídeos 360 são mais interessantes do que o uso de imagens 360. Já em outras, o uso de um projeto 3D cai como uma luva. O ideal é que o conteúdo utilizado seja compatível e adequado

  • (i) ao tipo de experiência que se deseja transmitir
  • (ii) ao perfil de público que será impactado
  • (iii) ao que se espera de retorno dessa experiência.

Quando falamos de retorno da experiência, nos referiremos ao que se espera alcançar após as pessoas usarem os óculos. Queremos apenas mostrar uma forma de entretenimento? Queremos mostrar detalhes de um produto para que ela tome a decisão de compra? Ou nosso objetivo é treinar as pessoas em uma atividade ou processo? Existe um tipo de conteúdo para cada objetivo.

Imagens 360

Imagens 360 são as fotografias 360 (ambientes reais) ou imagens 3D renderizadas em 360° (ambientes virtuais). Assim como uma imagem plana tradicional, as imagens 360 são estáticas. A visualização sempre permanecerá fixa a partir da ponto de onde a imagem foi captada ou gerad.

Esse é um exemplo de imagem 360 gerada a partir de um projeto 3D. O processo de geração dessa imagem se chama renderização. Vista dessa forma, a imagem parece estar distorcida. Isso acontece pois ela está sendo exibida em sua forma natural, sem passar por um aplicativo que a deixe com a visualização em 360°.

Exemplo de uma imagem 360 graus no formato equirretangular - Renderização 3D
Exemplo de uma imagem 360° no formato equirretangular - Renderização 3D

Esse outro exemplo é de uma fotografia 360 captada com uma câmera 360°. Assim como a imagem anterior, ela está aparecendo em sua forma plana, sem o auxílio de um software que a deixe com a visualização em 360°.

Exemplo de uma imagem 360 graus no formato equirretangular - Fotografia 360
Exemplo de uma imagem 360° no formato equirretangular - Fotografia 360°

Visualizando imagens em 360°

Agora, clique nesse link e veja como essas mesmas imagens 360 são apresentadas através de um aplicativo de realidade virtual. O aplicativo faz com que as imagens possam ser vistas por todos os ângulos! Não é possível se movimentar dentro da imagem, mas é possível olhar para os lados, para cima e para baixo.

Neste caso, usamos o MeuPasseioVirtual que é uma plataforma SaaS de realidade virtual para a criação de Tours 360°. Ele permite visualizar os ambientes 360 através de um computador, tablet ou celular. Também permite o uso dos óculos de realidade virtual, transmitindo a sensação de estar dentro da imagem.

Onde usar imagens 360

As imagens 360 são indicadas para uso em determinadas experiências imersivas. Elas são ótimas quando o objetivo é fazer com que as pessoas contemplem um ambiente virtual. Também são indicadas quando há necessidade de prestar atenção aos detalhes, sem movimentos bruscos.

Em imagens 360° os usuários não precisam realizar movimentos bruscos. Eles possuem autonomia para tomar ações por contra própria: como exibir mais informações de algum objeto ou se locomover para um outro ambiente.

Tours Virtuais 360

Quando várias imagens 360 são agrupadas e conectadas entre si, é criado um Tour Virtual 360°. Esse tipo de conteúdo imersivo é um derivado das imagens 360. Com ele é possível criar diferentes apresentações para realidade virtual.

Podem ser usados na divulgação de imóveis a venda ou locação, vistorias imobiliárias e empreendimentos na planta. São ótimos na apresentação de projetos de arquitetura e design de interiores. Em muitos casos, são usados também em treinamentos e criação de lojas virtuais.

O tour virtual 360° permite uma “navegação” entre os ambientes de forma muito semelhante ao Google Street View. Por isso, são muito usados para simular visitas a museus, pontos turísticos ou estabelecimentos comerciais.

A transição que ocorre entre as imagens 360 é chamada de “teletransporte”. Ou seja, o usuário “desaparece” do ambiente onde está e “aparece” no ambiente que escolheu ir. Veja esse tour virtual 360°, clique nas setas e entenda como ocorre o teletransporte.

Vídeos 360

Vídeos 360 são conteúdos poderosos que permitem contar uma história, gerar empatia, estimular emoções. Em um vídeo 360 tudo isso fica ainda mais evidente! É necessário tomar um grande cuidado para que o resultado não seja negativo. Não queremos que as pessoas sintam-se desconfortáveis, com náuseas ou tonturas.

Vídeos 360 sem deslocamento de câmera

Assim como as imagens 360, os vídeos 360 são apresentados a partir de um ponto fixo. Não há deslocamento ou movimentos de câmera. Entretanto, como se trata de um vídeo, tudo o que está em volta ganha vida, mas sem comprometer a experiência de quem está assistindo.

Os vídeos 360 podem ser captados por câmeras 360° e as animações virtuais geradas a partir de projetos 3D.

Os vídeos 360 são ótimos conteúdos imersivo para apresentações que demandam de uma interação humana genuína: com narração ou demonstração. Podem ser usados no mercado imobiliário, treinamentos corporativos e campanhas publicitárias. Também é usado em documentários e jornalismo, cinema, visitas guiadas, cobertura de shows, eventos esportivos, etc.

Uma demonstração que ilustra o potencial desse tipo de conteúdo imersivo é a apresentação em 360° de um datacenter do Google (assista no Google Chrome). É um vídeo sem grandes produções ou efeitos especiais. Possui apenas uma animação de transição entre um local e outro. Entretanto, ele consegue passar sua mensagem de forma simples e muito eficiente.

Vídeos 360 com deslocamento de câmera

Esse tipo de conteúdo imersivo pode ser captado com câmeras 360° ou gerados a partir de animações em 3D. São usados quando queremos transmitir entretenimento e adrenalina! Com eles é possível transmitir para as pessoas um nível maior de emoção. O uso de vídeos 360 desse tipo são muito usados em esportes radicais, automobilismo, filmagens com drones, simulações de montanhas-russa, etc.

Um exemplo que ilustra muito bem o uso desse tipo de conteúdo está nesse vídeo 360° da FireWhip, no Beto Carrero World (assista no Google Chrome). Você consegue perceber a emoção apenas ao assistir pela tela do computador ou celular. Agora, imagina utilizando os óculos de realidade virtual. O parque foi muito feliz na construção de seus vídeos 360, pois eles transmitem exatamente a sensação e emoção de estar nos brinquedos do parque.

Projetos 3D

Esse tipo de conteúdo imersivo permite que as pessoas “caminhem” por dentro do ambiente virtual. Geralmente, esse deslocamento é feito com a ajuda de um controle remoto ou teclado (quando usado um computador). Quando a experiência usa um óculos de realidade virtual, é sensação é de estar dentro de um jogo.

Esse tipo de conteúdo usa uma linguagem de comunicação mais específica. Ela é voltada à um público-alvo mais restrito, mais direcionado. A experiência de imersão proporcionada é a melhor possível. Mas, só se obtém um resultado positivo quando o público-alvo são pessoas acostumadas com jogos de computador ou console (PlayStation, X-Box e afins).

Onde usar projetos 3D

É muito comum o uso desse tipo de conteúdo no desenvolvimento de jogos. Em outras áreas, tem sido utilizado em simuladores e treinamentos corporativos (muito útil em treinamento de segurança do trabalho). Projetos de engenharia (BIM), mercado imobiliário e arquitetura também fazem uso. O alto custo de criação ainda não permite que esse tipo de conteúdo seja utilizado em grande escala.

Esse é um exemplo de uso de projeto 3D no segmento de arquitetura. É um vídeo que foi gravado mostrando a navegação por dentro do ambiente. Perceba que cada movimento ocorre de acordo com os comandos de uma pessoa, provavelmente através de um teclado. Esses e outros tipos de ações são possíveis quando utilizados projetos 3D como conteúdo imersivo.

IMPORTANTE: As pessoas que não conhecem esse tipo de linguagem podem ter uma experiência frustrante. Ao vestir os óculos e segurar o joystick, se a pessoa não possuir um pouco de experiência com games, não entenderá o que precisa fazer ou como deverá proceder. É preciso entender muito bem o público-alvo para então adotar esse tipo de conteúdo imersivo.

Em resumo...

Uma boa experiência em realidade virtual pode ser obtida com imagens 360, vídeos 360 ou projetos 3D. Para determinadas experiências são sugeridos certos tipos de conteúdo, não é uma regra, mas é necessário um bom senso.

É importante prestar atenção na escolha do tipo de conteúdo a ser utilizado. Leve sempre em consideração o (i) o tipo de experiência que se deseja transmitir, (ii) o perfil de público que será impactado e (iii) qual o retorno esperado da experiência. Construa conteúdos e apresentações que atendam, no mínimo, a esses 3 (três) critérios.

Você já cria conteúdos imersivos? Os resultados são bons? Está conseguindo que seu público-alvo tenha a experiência que você deseja realmente transmitir? Tem usado mais imagens 360, vídeos 360 ou projetos 3D?

Esperamos ter contribuído com esse artigo!

Até mais!

Maicon Klug
maicon@imersiovr.com
CEO
Imersio

Deixe sua pergunta ou comentário